Pesquisar este blog

domingo, 28 de dezembro de 2014

Ba: Estudante que prestou queixa contra racismo sofrido em Shopping de Salvador concede entrevista ao blog. Ela diz que ainda existe muito racismo.

Ana Paula Bispo, estudante da Universidade Federal da Bahia, prestou queixa contra loja de Shopping tradicional de Salvador, ela diz que foi acusada de furtar brinco. O fato ocorreu em no dia 08 novembro desse ano. 

A estudante do curso de Produção Cultural da Universidade Federal da Bahia(UFBA), que relatou ter sofrido preconceito em um shopping da capital baiana, por ser negra, responde perguntas do blog. Ela afirma que apesar da Bahia ter a sua população de maioria negra, casos de preconceito ainda é muito presente no estado. O caso foi noticiado em vários jornais de grande circulação do país. Na internet, muitas pessoas compartilharam o ocorrido e apoiaram a estudante. 
                                                                                                  Reprodução/Facebook  
                                                   
                                                                                                           Ana Paula Bispo      
       
A estudante expressou ter se sentido muito constrangida com o fato. Ana Paula Bispo, de 30 anos, além de ter feito uma reclamação na central de atendimento do Shopping, ela ainda prestou queixa em uma delegacia de Salvador. Em sua página do Facebook, ela descreveu toda a situação, que afirma ter sido uma atitude preconceituosa da loja, pelo motivo de ser negra: senti hoje o verdadeiro peso do racismo, aquele que transforma negra, de cabelo crespo em ladra. Podem dizer que não há relação, mas enquanto eu não vir moças brancas com seus cabelos lisos relatarem fatos iguais não me convencerei. Em nota publicada, a loja se desculpou e se disse solidária com a estudante, ainda lamentou o ocorrido.

Ana Paula disse que levaria o caso adiante. Ainda postou:  Não posso me calar, sou mulher, sou negra, sou pobre, sou estudante e trabalhadora, não admito ser tratada como criminosa.                                

Ana Paula Bispo diz que ainda existe muita discriminação nos estabelecimentos comerciais. "Eu acho que a discriminação nos estabelecimentos é muito grande, muito mesmo ". Ela também afirma que vê avanços nas políticas públicas de combate a descriminação racial, mas que elas precisam de ações educativas paralelas.

Sobre os atendimentos nos estabelecimentos comerciais de Salvador, você acha que aquele fato que aconteceu com você, foi um fato isolado, ou acontece com muitas pessoas na cidade?

Ana Paula Bispo: Eu acho que a discriminação nos estabelecimentos é muito grande, muito mesmo. Você entra e te julgam de acordo com sua cor e a forma como está vestida. Eu nem teria como acreditar que foi um fato isolado, pois recebi inúmeros depoimentos em minha página do facebook de pessoas que passaram por situações parecidas. Algumas pessoas em lojas da mesma rede, o que derruba a tentativa de culpabilizar os funcionários.
Um homem me reconheceu no ponto de ônibus e narrou um episódio que ocorreu com ele em 1998, ele contou com detalhes, nunca esqueceu. Me disse que na época não tomou nenhuma providência e que se sentia orgulhoso de minha atitude. Esse é um tipo de coisa que acontece muito e que quem passa não esquece.

A pessoa já vive com todas as dificuldades que a nossa sociedade apresenta, encara humilhações diárias ao voltar pra casa em ônibus lotados e sujos, que atrasam, convive com desigualdades e injustiças sociais, mas batalham pra viver com dignidade e se orgulhar de levar uma vida honesta aí vem alguém e te trata como escória...  Não, não é um fato isolado, infelizmente, mas é inaceitável. 

O estado da Bahia é um dos que mais tem a sua população formada por pessoas afrodescentes, como você vê as questões de igualde racial no estado, há avanços ou a Bahia tem muito preconceito e racismo ainda?

Ana Paula Bispo: Acredito que a Bahia ainda tem muito preconceito sim, que não se justifica, pois a maioria da população é negra. Mas também sou otimista em relação ao futuro. Acredito que estamos avançando e embora os passos não sejam tão largos estão na direção certa.

Se algo de bom pode ser tirado desse episódio é o apoio que recebi e a indignação das pessoas, mostrando que isso não é aceito com tanta naturalidade. Mas é algo tímido, algo que precisa melhorar bastante.

Você participou de algum evento de combate ao racismo, foi convidada, e  como você analisa as políticas de combate as desigualdades raciais no seu estado?

Ana Paula Bispo: Fui convidada pra algumas coisas sim, mas infelizmente não pude participar de tudo que gostaria, pois a vida segue, e tem a faculdade e o estágio. Fui convidada pra sessões em câmara de vereadores da Região metropolitana(...) Participei da inauguração do Observatório de combate ao racismo e homofobia ligado à prefeitura. Vejo avanço nas políticas públicas também, mas que precisam de ações educativas paralelas e que deixam a desejar nesse sentido.




Para o leitor:

Você já presenciou ou já ouviu alguém relatar algum tipo de preconceito sofrido em estabelicimentos comerciais do seu estado? Deixe seu comentário!




quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Violência contra as mulheres: "As dores da Violencia"

Jornais de todo o mundo noticiam diariamente as barbáries cometidas por agressores vorazes contra indefesas mulheres.  

Em alguns países, elas são privadas de ir à escola. Em outros, não podem trabalhar. São obrigadas por seus maridos a ficarem encarceradas em casa. As leis não lhes abrem brechas de liberdade. Sua voz pouco vale diante da sociedade. 

Em nosso país, a violência contra elas se expande ao passar dos anos. Dados comprovam essa realidade no Brasil. Diariamente podemos comprovar o desfecho trágico contra as mulheres, casos de extrema barbárie chocam a opinião pública brasileira.

Muitas mulheres sonham em acordar e se sentirem livres. Sem medo de respirar o ar diário de violência que a vida lhes oferece. Algumas almejam andar pelas ruas sem se preocupar com os invasores de espaço: aqueles que as assediam, importunam-as, tentam cometer violência contra seus corpos. Ofendem sua dignidade e reputação. Fazem delas objetos pessoais. Privam dos seus direitos garantidos por lei.
imagem:reprodução internet
Caladas, medrosas, muitas ficam presas em seu habitat natural. A dor se prende ao corpo delas, suas mentes ficam inquietas, com um emocional desestruturado. 

Suas vozes ecoam pelo mundo, pedindo socorro. Liberdade, direitos iguais, respeito, proteção dos governos. As ONGs e grupos de defesa levantam a bandeira, apoiam-nas, oferecem um ombro. Brigam contra a intolerância. Sites, blogs, páginas de redes sociais se unem para denunciar o crescimento da violência contra as mulheres. Um grito explode delas, uma indignação exclamativa: Não à Violência!

(R. Alves) (editado L.Góes)


terça-feira, 16 de setembro de 2014

Marina Silva, Dilma Rousseff e Aécio Neves: um breve resumo e análise sobre os três candidatos. O cenário é de estratégia. Dê sua opinião


sitejaraguainotícias
Próximo do dia dos brasileiros irem às ruas do país, a corrida para a vaga presidencial ganha embalo. Mais amadurecidos, os candidatos, junto com suas equipes de trabalho, analisam e buscam formas de ganhar o eleitor. Uns investem em ofensivas, o que é tradicional das eleições, outros procuram conquistar o eleitor com simpatia e dancinhas, o que faz parte do jogo. Enquanto os números sofrem algumas mudanças, o cenário é de muita apreensão e estratégia por parte de cada partido.

O partido que administra o país atualmente parte para o ataque, tenta demostrar falhas nas propostas dos adversários. Principalmente no projeto da candidata Marina Silva. A qual usa as redes sociais para se defender:  

"Entrem nas redes sociais. Nos ajudem a esclarecer a verdade. Falem do nosso programa. Não entrem para agredir nem a Dilma nem o Aécio." (twitter)

A presidente Dilma Rousseff respira um ar 'melhor', depois da última pesquisa do IBOPE, que mostra um crescimento na pontuação.  Mas deve se preocupar com o segundo turno.
Nas redes sociais da candidata petista, os temas mais tocados se refere a questão da igualdade racial, o mais médico, bolsas federais entre outros.

(foto:acebook)
"Houve e há uma discriminação racial no Brasil, por isso a importância das políticas afirmativas." (twitter)

Segundo turno

sábado, 5 de julho de 2014

Desabamento em viaduto de Minas Gerais em dias de Copa: Um minuto de silêncio!

                                      Foto: Otempo
FOTO: Foto: Leo Fontes

Uma partida nada satisfatória para famílias que perderam seus parentes. A construção de um viaduto terminou com um fim trágico. O número de mortos poderia ser maior; graças a Deus que não. 

Um fato que não poderia ser negligenciado pelos meios de comunicação. As pautas dos jornais, principalmente os de TV aberta, deram e estão dando ênfase aos jogos da copa. Milhares de brasileiros expressam suas inconformações por canais de vídeos do You Tube. Uns poucos se utilizam das redes sociais para declararem suas indignações.

Um caso absurdo, que muitos nem ficaram sabendo, não pode se passar como um simples acidente. Os critérios de noticiabilidade parecem ser esquecidos nesse momento.

É tudo bem elaborado para se passar em como um simples caso. Até o minuto de silêncio não foi feito.

Cadê a solidariedade da seleção brasileira? Da FIFA? Das redes transmissoras da Copa?

Um minuto de silêncio!


sexta-feira, 4 de julho de 2014

Enchentes; e um desabamento de um viaduto com vitimas no local; Fatos passados como qualquer assunto pela imprensa brasileira. Será por causa da copa?


Um fato que deveria tomar as manchetes dos jornais parece ser um simples acidente. Esse caso deveria ser noticiado ao vivo pelas emissoras de TV aberta. Uma emissora que quer ter credibilidade deve se pautar em mostrar aos telespectadores a realidade do momento.

Esse desabamento em Minas Gerais é mais um caso abafado por muitas emissoras, principalmente aquelas que são as principais transmissoras dos jogos da copa.

Um caso que deveria estar as manchetes dos telejornais

Foto: Blog A VERDADE/ Lucas Prates/J.H.D/

O caso gravíssimo, deveria ter espaço garantido nas emissoras abertas, mas o que se vê é um certo abafamento sobre o caso.  O porquê disso? Será por causa da copa do mundo?

Alguns meios de comunicação( ou responsáveis por jornalismo) são ligados a interesses dos governantes e acabam minimizando o caso trágico e vergonhoso.
Outros meios não dão relevância ao caso desastroso.

Nas redes sociais não se vê falar no assunto; o assunto é a copa. Brasileiros deveriam estar mais atentos para as realidades de seu país. Tem cenas, em vídeos do You Tube, que são chocantes. Isso é abafado pela imprensa. Seria interessante saber o motivo. Redes internacionais transmitiram ao vivo.

O governo deveria sair em rede nacional e falar do caso espantoso. Em um jornal da madrugada, de uma grande rede, a reportagem sobre essa tragédia, que poderia ter sido maior, falava sobre os futuros jogos da copa do mundo. Uma vergonha!

Enquanto milhares ficam desolados com as enchentes, um caso gigantesco e trágico acontece no país, as principais manchetes da TV brasileira é sobre a copa do mundo.

A preocupação é liberar acesso para os futuros jogos.

Será que a seleção vai fazer um minuto de silêncio?




sábado, 14 de junho de 2014

É goool. De quem?

                                                                                             Para o povo brasileiro, fica a bola Murcha.
Os brasileiros deixa de ter seus direitos de ir e vir, conforme garante a constituição do país, por motivos de interesses dos governantes. São proibidos de trafegarem e circularem por áreas públicas. Mas aqueles que pagam ingressos e vão aos estádios tem toda liberdade e segurança. Quem não seguir as regras dos órgão e passar por um desses locais, poderá ser reprimido bruscamente, ou até preso. 

Enquanto as redes de TV abertas(transmissoras) faturam bilhões e escondem as realidades nessas épocas, como as inconformações dos brasileiros na ruas, a FIFA faz a festa, as grandes empresas explodem no faturamento, o povo é tratado como delinquentes corriqueiros, e o grito que ecoa é: goooooool!

Dê sua opinião!

domingo, 11 de maio de 2014

Neila Medeiros, jornalista do Sbt, concede entrevista especial para o 1000noticias. Ela fala sobre o atual momento do jornalismo da emissora, a questão da audiência e os resultados positivos alcançados. Veja depoimento de um colega de trabalho da Neila

                                                                                Foto de telespectador/via twitter

O nosso informativo preparou mais uma super matéria para os milhares de leitores. Sempre com assuntos de qualidade. Confira essa entrevista especial do blog, com um formato diferenciado. Desde já agradecemos a Neila Medeiros e a toda a sua assessoria de comunicação por nos atender.

Neila Medeiros apresenta jornais na emissora do Sbt. Estava em Brasília apresentando o Sbt Brasília quando foi convidada pela emissora paulista para apresentar um jornal de rede nacional. Desde sua chegada a São Paulo, logo após o fim do Sbt Notícias, Neila ganhou mais espaço na emissora, apresentando os principais jornais de rede nacional do Sbt. Um colega de trabalho, do Sbt, comentou com o blog como é trabalhar com a jornalista. Veja agora a nossa entrevista:


Como foi o início de sua carreira, você passou algum momento difícil durante a sua graduação? 

Minha graduação foi feita pelo caminho inverso. Comecei a trabalhar com jornalismo depois de me formar em publicidade e propaganda. Fiz radialismo e só depois jornalismo. Difícil era trabalhar dois turnos e fazer faculdade num terceiro tendo duas filhas. Mas deu certo.

Você também é radialista? É uma experiência bem diferente, não? Atualmente está em alguma rádio?

Atualmente não. Rádio é uma experiência magnífica. Além do prazer traz muito conhecimento e jogo de cintura, improvisação. Adorei tudo que fiz em rádio, de notícia a spot (propagandas publicitárias).

Em Agosto de 2011 você ganhou o prêmio 8° Engenho de Comunicação do Distrito Federal como melhor apresentadora do Distrito Federal. Fale um pouco sobre essa conquista profissional.

Acho que a conquista de um apresentador traz com ela o trabalho de toda uma equipe. Apresentadores não tem como trabalhar sozinhos. Eu sou a soma de tudo que aprendi e aprendo todos os dias com colegas de trabalho. E pra mim foi gratificante ver que o meu trabalho também agregava à rotina da redação, do jornal e da minha cidade. Foi surpreendente e delicioso.

Tem alguém que te inspirou a seguir a profissão?
Deus me inspira. A força espiritual me inspira. Não tenho familiar na profissão e nem sonhei com isso desde criança. Comecei no jornalismo meio por acaso. Mas me considero uma comunicadora desde que nasci, esse é meu perfil. A Hebe me vem a cabeça quando penso no futuro. Ela não era jornalista mas trabalhou até o fim da vida com alegria e disposição estimulantes. Se a vida me presentear com uma jornada longa e feliz eu só terei a agradecer.

Quanto tempo ficou no Sbt Brasília e o que foi para você trabalhar apresentando o jornal na emissora local de Brasília?
Fiquei em Brasília uns cinco anos. Foi engrandecedor e nítido o amadurecimento profissional. Mudamos o formato ao longo desse tempo e ali comecei a me sentir cada vez mais integrada ao processo jornalístico de uma forma mais intuitiva, natural.

Como é a sua relação com o SBT?
Minha relação com o SBT é de muito respeito e gratidão. Se confunde com minha formação profissional. No SBT fiz amigos pra toda a vida. Minhas filhas cresceram nos camarins e estúdios da emissora enquanto eu aprendia na prática o ofício de jornalista. Sempre tive toda a liberdade de me expressar e trabalhar em diferentes áreas na empresa. Uma parceria que dá certo há 15 anos, em cidades diferentes.

O SBT passa por um bom momento em seu jornalismo. Com credibilidade, repercussão de matérias e comentários de apresentadores, e não podemos deixar de falar do carisma dos âncoras. O que tem levado a emissora a chegar a esse ponto de crescimento?        

O SBT é pioneiro em falar a linguagem do povo. Nos nossos jornais as pessoas se sentem representadas há anos. Hoje se valoriza em todas as emissoras as classes C, D e E. Elas já estão conosco desde o Boris Casoy criando o bordão: Isto é um absurdo; desde o Aqui Agora, desde o início da emissora. O público sabe que aqui ele vai ver a verdade sem rodeios e sem sensacionalismo, o que se busca. Ainda estamos crescendo e pretendemos crescer mais. Pra isso trabalhamos todos os dias. E o melhor do jornalismo do SBT nem sempre se vê, é o nosso elenco. Muitas feras na redação dias e noites pra levar a notícia até vocês.

Como foi essa transição de deixar o Sbt Brasília e ir para outro estado apresentar um jornal para todo o Brasil? 

Eu me preparei para isso. Acredito que traçar metas é o mais eficiente para direcionar nossos passos. Foi a realização de uma etapa da minha vida. Os desafios aqui são maiores. Isso me deixa sempre alerta para crescer a cada dia estudando e trabalhando mais e melhor.

Nas redes sociais o jornalismo do SBT é um dos mais comentados, os jornalistas são bem admirados pelo público. Em relação aos números de audiência do IBOPE, esses números são aceitos com confiança pela emissora?                         
As pessoas comentam o jornalismo do SBT porque faz parte do dia a dia delas. O público gosta da forma como a notícia é preparada e conduzida. É realista e ainda tem o jeitinho de cada um transmitir que faz toda a diferença. Ter confiança no que se vê hoje no jornalismo é resultado de anos de trabalho de muitos profissionais, uma construção. Já a audiência é algo mutante. Depende de hábitos, comportamentos, situações do dia, horários, programas, concorrência, época do ano... Ela pode ser altíssima em uma cidade e baixa em outra num mesmo programa. Eu acho que o ideal seria não saber os números, ter como meta fazer um excelente jornal todos os dias.

O jornalismo brasileiro, em sua opinião, precisa crescer mais ou está em um bom momento?   Sempre precisamos crescer, faz parte da evolução do mundo e das pessoas. É algo natural. Quantas coisas ainda podemos descobrir, criar, inovar além das que temos de preservar. 

Tem alguma matéria ou reportagem que lhe marcou?
Muitas marcam. Gosto de falar de gente, de mostrar o povo e a realidade que vive. Todos os dias chegam histórias comoventes. Muitas delas tiveram um desfecho feliz por causa do nosso trabalho na mídia. Isso é tocante. 

Como foi ser âncora do Sbt Notícias? Sente saudades?  Foi uma experiência marcante. Uma chegada no mínimo inusitada em São Paulo. Conheci muitos colegas de trabalho incríveis (de camareiros a jornalistas), vi admirada uma estrutura ser montada do dia para a noite, tive a oportunidade de marcar essa passagem com matérias das quais me orgulho e ver o entrosamento de tanta gente bacana. Passou rápido mas foi muito bom. Sinto saudade da movimentação do jornal. Entrevistas, participações, helicóptero, repórteres, matérias de várias praças... coordenar tudo isso durante a apresentação ao vivo é excitante pra mim.

 Telespectador comenta sobre o fim do Sbt Notícias (site Yaoo Tv)
"... O SBT Notícias traria retorno daqui a alguns meses, mas a diretoria não pode esperar o trabalho da equipe amadurecer e trazer os resultados esperados." (E. Nilson)

Pela análise do 1000noticias, o Sbt Notícias não deveria sair do ar, pois tinha um formato agradável e se encaixava com seu perfil. Se o público pedir ao Silvio, será que poderemos ver você apresentando novamente aquele ótimo formato de programa jornalístico?
Essa pergunta eu não sei responder. Agradeço o carinho.

Como tem sido essa nova fase para você? Apresentando o Jornal do SBT, nas madrugadas, você e o Marcelo Torres obtiveram bons resultados para a emissora. Chegando a liderança constantemente. O que tem sido feito para se chegar a esse resultado satisfatório?  Eu gosto muito do que faço e isso não muda. O Jornal do SBT tem como marca a fórmula tradicional do jornalismo, que eu acho super rica. Um espelho variado com notícias sobre política, economia, comportamento, esporte, cotidiano. Dividir a bancada com um parceiro de trabalho é sempre uma delícia. Funcionar em equipe é tão importante quanto funcionar sozinho. A equipe é muito experiente. O resultado de um jornal é sempre o de uma equipe inteira. Está ficando em primeiro na madrugada porque é bom mesmo. O SBT Brasil também traz essa cumplicidade entre os apresentadores, tem uma pegada mais popular, matérias mais sonorizadas, um horário mais normal também. As duas bancadas que tenho feito me trazem muito prazer e aprendizado. 
Nossos agradecimentos e reconhecimento por seu ótimo trabalho. Deixe uma mensagem para os leitores do 1000noticias e os telespectadores que te acompanham pelo Sbt. 

Eu agradeço todos os dias a oportunidade de ser a voz de muita gente de que não é ouvida, de fazer do meu trabalho diário uma prestação de serviço. Servir ao próximo é o maior exercício de humildade  de um ser humano e fazer isso no dia dia, na profissão com amor, dedicação e persistência faz essa grande jornada valer a pena. Obrigada pelo carinho de todos como o meu trabalho.

Colega de trabalho deixa depoimento

Desde já agradecemos a todos que contribuíram para essa matéria. A produção do blog conseguiu depoimento de um colega de trabalho da Neila Medeiros, o jornalista Marcelo Torres, âncora do Jornal do Sbt. Ele comenta com é trabalhar ao lado da Jornalista:

Marcelo Torres"É muito bom trabalhar com a Neila. Além de ser uma profissional de primeira linha, antenada, expressiva e batalhadora, a Neila também é uma grande amiga, sempre de bom humor, pronta para ajudar. Garra é o que não falta para ela." (Marcelo Torres)



Matéria especial do blog.
Por Ramon Alves



sábado, 10 de maio de 2014

Mães... Todos os dias são dias delas; deixamos essa mensagem produzida pelo blog para todas as mamães

Pérolas dadas por Deus
Flores perfumadas dos jardins
Chuvas que rega corações e os fazem resplandecer 
Belas cores espalhadas pelo ar

Fina seda valorosa e companheira
Fortes e ajudadoras; próximas
Muitas sofridas, marcadas pela dor;
feridas pelas marcas da solidão e da violência

Verdadeiros presentes dados por Deus
Amarguradas por uma perda de um dos seus frutos
Amigas; companheiras; responsáveis; disciplinadoras
Cidadãs; trabalhadoras; donas de casa inquietas, mesmo nas horas das enfermidades
Queridas; comunicadoras; silenciosas; atenciosas e acolhedoras; nervosas; amorosas
Pra quem tem, ame; procure; perdoe; busque; visite; valorize. Para quem não a tem mais, guardada ficará nos memoriais do íntimo do coração. A alegria vem, com as boas recordações. 

Feliz dia das mães!
(Ramon Alves)

PRODUÇÃO DO BLOG PARABENIZANDO TODAS ÀS MÃES.


quinta-feira, 8 de maio de 2014

Dia 12 de Outubro: Feliz dia das Crianças, criançada.

Deixamos um trechinho dos arquivos do blog.

"O tempo se foi e nem se despediu de min, foi passando que nem percebi. 

Os dias e as horas voaram tão rápido, e já cresci.

Do tamanho de um botão, cantavam meus pais para min."               ...................................(R.A.M)

Só ficam as lembranças dessas épocas. Depois de criança, chegamos a pré-adolescência. Passamos para adolescência, e seguimos para a juventude, logo depois virá o tempo que é necessário mais descanso, a idade mais madura do ser humano. Os nossos famosos vovós.  

Aproveite bem a sua juventude! Depois dessa "fase", só ficará as lembranças do tempo de criança. Uma fase marcante. As brincadeiras, as travessuras, as viagens, os brinquedos, os amigos daquela época, tudo fica armazenado na memória. Gerações se passam e as lembranças continuam. Para todas as crianças curtam bem a sua fase. Jesus ama todas as crianças. Elas merecem!

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Ping-Pong Com a jornalista Neila Medeiros do Sbt. Não perca matéria especial. Breve!


"Sempre precisamos crescer, faz parte da evolução do mundo e das pessoas. É algo natural. Quantas coisas ainda podemos descobrir, criar, inovar além das que temos de preservar."(Neila Medeiros)

Na semana de laçamento da entrevista especial do blog, os leitores poderão conferir, de antemão, esse Ping-Pong com a jornalista do Sbt, Neila Medeiros.

Neila já apresentou todos os jornais da emissora de rede nacional, entre eles o extinto Sbt Notícias, o Sbt Manhã, o Sbt Brasil e, atualmente, estava tirando férias da apresentadora Karyn Bravo, no Jornal do Sbt, nas madrugadas, por volta das 01:15.

Durante o período em que esteve apresentando o Jornal do Sbt, Neila, junto com  o jornalista Marcelo Torres, obtiveram ótimos resultados para a emissora paulista. Chegando, constantemente, ao primeiro lugar em audiência. Nesse fim de semana, uma matéria especial vai ser postada. Entre os assuntos abordados, Neila vai falar sobre o atual momento do jornalismo do Sbt, sua passagem pelo Sbt Brasília, a questão da audiência, e outros assuntos.

Perguntada se tinha inspiração em alguém para ter escolhido seguir a profissão de jornalista, ela responde:
 " Deus me inspira"  ..."Se a vida me presentear com uma jornada longa e feliz eu só terei a agradecer." 

Confira esse Ping Pong:

FAMÍLIA:  PRESENTE

FÉ: PORTO SEGURO

PROFISSIONALISMO: APRENDIZADO

LIBERDADE DE EXPRESSÃO: RESPONSABILIDADE

O QUE LHE DEIXA XATEADA: A POLÍTICA

A FAMÍLIA SBT: PARCERIA

PÚBLICO: CARINHO

BRASIL: DESAFIO

Agradecemos a Neila e toda a sua assessoria de comunicação.