Pesquisar este blog

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Violência contra as mulheres: "As dores da Violencia"

Jornais de todo o mundo noticiam diariamente as barbáries cometidas por agressores vorazes contra indefesas mulheres.  

Em alguns países, elas são privadas de ir à escola. Em outros, não podem trabalhar. São obrigadas por seus maridos a ficarem encarceradas em casa. As leis não lhes abrem brechas de liberdade. Sua voz pouco vale diante da sociedade. 

Em nosso país, a violência contra elas se expande ao passar dos anos. Dados comprovam essa realidade no Brasil. Diariamente podemos comprovar o desfecho trágico contra as mulheres, casos de extrema barbárie chocam a opinião pública brasileira.

Muitas mulheres sonham em acordar e se sentirem livres. Sem medo de respirar o ar diário de violência que a vida lhes oferece. Algumas almejam andar pelas ruas sem se preocupar com os invasores de espaço: aqueles que as assediam, importunam-as, tentam cometer violência contra seus corpos. Ofendem sua dignidade e reputação. Fazem delas objetos pessoais. Privam dos seus direitos garantidos por lei.
imagem:reprodução internet
Caladas, medrosas, muitas ficam presas em seu habitat natural. A dor se prende ao corpo delas, suas mentes ficam inquietas, com um emocional desestruturado. 

Suas vozes ecoam pelo mundo, pedindo socorro. Liberdade, direitos iguais, respeito, proteção dos governos. As ONGs e grupos de defesa levantam a bandeira, apoiam-nas, oferecem um ombro. Brigam contra a intolerância. Sites, blogs, páginas de redes sociais se unem para denunciar o crescimento da violência contra as mulheres. Um grito explode delas, uma indignação exclamativa: Não à Violência!

(R. Alves) (editado L.Góes)